Será que sou portador de dor crônica ou dor aguda?

Muitas perguntas se fazem quanto ao que fazer quando sentimos dor:

Será que sou portador de dor crônica? Quando devo considerar a minha dor crônica ou aguda? Qual a diferença? Quando devo procurar um especialista? E que tipo de especialista devo procurar?

Segundo um estudo realizado em parceria entre o IBGE e a Sociedade Brasileira de Estudo da Dor, 42% dos brasileiros sofrem com algum tipo de dor. Sendo constatado que 37% da população sofre com dores crônicas.

A dor crônica é aquela que tem um tempo determinado e a sua duração é superior a 3 meses, podendo surgir de maneira intermitente ou regular por longos períodos.

A dor aguda tem um tempo determinado, podendo ser momentânea, ou mesmo se estender a até três meses de duração. No entanto, o sintoma surge de forma inesperada e abrupta, sem continuidade ou regularidade. É uma reação rápida do organismo. Sente-se logo após uma queda ou um corte por exemplo.

A dor em si é um sinal de alerta. O estímulo do dano tecidual real ou potencial é levado ao cérebro através das ramificações nervosas, que por sua vez responde através do córtex a sensação desagradável.

Apesar de ser comum, a dor é uma sensação estritamente particular.

Cada organismo reage aos estímulos de forma única, de acordo com a sua história de vida pessoal. Portanto, podemos afirmar que a dor é uma sensação individual e subjetiva. O limiar de dor varia, de indivíduo para indivíduo.

No entanto, precisamos lembrar que quando se trata de dor seja ela de que tipo for, principalmente a de longa duração o indivíduo toma uma postura antálgica (postura de dor), gerando dessa forma, compensações musculares.

O Rolfing® é um tratamento que tem como objetivo organizar toda a estrutura musculoesquelética, levando em consideração, o efeito da força da gravidade sobre o corpo.

O rolfista, não se restringe unicamente à estrutura afetada.

Não olha um individuo como um joelho, uma perna, uma cabeça… que dói.

Vê uma pessoa que tem toda uma história de vida pessoal e intransferível, que tem uma visão de mundo próprio, que tem uma profissão, que tem uma família, que interage com o mundo que o cerca e principalmente, como a dor interfere em todo o seu habitat e vice-versa

Leva em consideração, não só o aparelho locomotor, mas o indivíduo como um todo.

Deixe seu comentário