Dor, quando devo procurar um especialista?

Quando devo procurar um especialista? E que tipo de especialista devo procurar?

Por ser uma experiência tão variável, a dor possui outras classificações, além do tempo de duração, que devem ser observadas.

Pode ser:

Dor Nociceptiva, (recebida por um receptor da via dolorosa), visceral quando atinge um órgão interno ex: estômago, desconfortos intestinais, vesícula, coração entre outros; e somática quando se manifesta na superfície, como no caso das dores musculares e articulares. Normalmente, é descrita como intensa, aguda e latejante.

Dor Neuropática, quando está associada a distúrbios do sistema nervoso central, composto por nervos periféricos, medula espinhal e pelo cérebro.

Na grande maioria dos casos o problema tem relação com doenças degenerativas ou alterações na coluna vertebral.

É um incomodo do tipo crônico que pode se manifestar de diferentes formas: sensação de queimação, podendo ocorrer formigamento, adormecimento ou em forma de choque.

Dor Somática é uma dor mais difusa. Por ser localizada em regiões de poucos receptores, apesar de, geralmente não ser marcante na maioria das vezes, possui longa duração; superficial ocorre a nível da pele e membranas mucosas Ex: queimaduras de primeiro grau e pequenas lesões na pele; profunda acomete tecidos mais internos do corpo ex: dores musculares, alterações ósseas, distúrbios articulares e problemas relacionados a vasos sanguíneos.

Dor psicossomática aquela sensação dolorosa que não possui uma causa orgânica. O indivíduo passa meses sofrendo sem que, se encontre um diagnóstico que justifique o sintoma. Normalmente essa dor decorre de conflitos internos. Após, exames que descartem qualquer causa orgânica o individuo é encaminhado ao psiquiatra que junto com o psicólogo, desenvolverá o tratamento adequado.

Dor idiopática. Na medicina o termo idiopático remete a algo que surgiu de maneira espontânea, não havendo causa aparente, que promova os sintomas. A dor deste tipo é aquela que não se encaixa em nenhum dos casos anteriores, não podendo, portanto, ser atribuída a nenhum tipo de distúrbio, doença ou trauma.

Convém ressaltar que, muitas vezes a dor psicossomática é tida como idiopática, até que se identifique uma causa psíquica.

O médico de família deverá ser o primeiro médico a ser procurado. Por princípio, ele tem o histórico do paciente podendo dessa forma, solicitar exames e encaminhar para o especialista mais indicado ao caso, que poderá ser o neurologista, reumatologista, ortopedista ou psiquiatra dentre outros.

O papel do fisioterapeuta -Segundo a literatura, sempre que se fala em dor que envolva o sistema locomotor a fisioterapia é a recomendação.

No entanto, precisamos lembrar que quando se trata de dor seja ela de que tipo for, principalmente a de longa duração o indivíduo toma uma postura antálgica (postura de dor), gerando dessa forma, compensações musculares.

O Rolfing® é um tratamento que tem como objetivo organizar toda a estrutura musculoesquelética, levando em consideração, o efeito da força da gravidade sobre o corpo.

O rolfista, não se restringe unicamente à estrutura afetada.

Não olha um individuo como um joelho, uma perna, uma cabeça… que dói.

Vê uma pessoa que tem toda uma história de vida pessoal e intransferível, que tem uma visão de mundo próprio, que tem uma profissão, que tem uma família, que interage com o mundo que o cerca e principalmente, como a dor interfere em todo o seu habitat e vice-versa

Leva em consideração, não só o aparelho locomotor, mas o indivíduo como um todo.

Você sabe identificar se sua dor é crônica ou aguda?

Deixe seu comentário