Neuroplasticidade

Muito se tem falado sobre neuroplasticidade. Afinal o que define neuroplasticidade?

neuroplasticidade

O termo neuroplasticidade, refere-se às respostas adaptativas do Sistema Nervoso (SN) frente aos estímulos percebidos. A maioria dos sistemas do cérebro são plásticos, ou seja, são modificados com a experiência, o que significa que, as sinapses (espaço entre dois neurônios que permite a comunicação neural) envolvidas são alteradas por estímulos ambientais captados por alguma modalidade de percepção sensorial.

Os pesquisadores se referiram a Michael Merzenich como o “pai da plasticidade” porque ele teve uma longa carreira que, estabeleceu que o cérebro humano é altamente plástico.

Marian Diamond

No entanto, após décadas de pesquisa, Marian Diamond foi considerada a “mãe da neuroplasticidade”.

Ela demonstrou anatomicamente, pela primeira vez o que hoje chamamos de plasticidade do cérebro.

Desta forma, rompeu o paradigma que via, o cérebro como algo estático e invariável que simplesmente degenera na medida em que envelhecemos.

Foi a primeira a provar que, o cérebro encolhe com o empobrecimento e cresce em um ambiente enriquecido, em qualquer idade.

neuroplasticidade

A literatura ainda nos relata que as pesquisas pioneiras de Diamond sobre o impacto de um ambiente estimulante e de atividades enriquecedoras no desenvolvimento do cérebro “mudaram literalmente o mundo, desde a forma como pensamos sobre nós mesmos até a forma como criamos os nossos filhos”.

Uma das principais contribuições de Diamond foi, além de compreender que os componentes estruturais do córtex cerebral podem ser modificados, e que essas mudanças podem ocorrer em qualquer idade.

“em resumo, os resultados demonstram cinco fatores importantes para um cérebro saudável”: dieta, exercícios físicos, desafios, novidades e amor.

Isso significa que, o cérebro pode continuar se desenvolvendo com o passar dos anos, a ponto de sua constante estimulação ajudar a melhorar até o sistema imunológico.

Diamond escreveu em 2007: “Quanto mais pessoas entenderem a estrutura e as funções de seus corpos, que é intrinsecamente influenciado pelo sistema nervoso e forem cuidadas em suas etapas iniciais da vida, mais saudável e prazeroso será o período que virá depois dos 50 anos”.

Deixe seu comentário